Total de visualizações de página

sábado, 21 de maio de 2016

UM GOLPE NA BASE



A oposição mostra a todo instante sua face golpista. A pantomima ensaiada que promoveram na sexta feira 13 durante a reunião do comando demonstra a que ponto são capazes de chegar para alcançar seus objetivos.
O comando de mobilização foi constituído visando dar efetividade às decisões da assembleia. Ficou acertado que, no caso de propostas surgidas dentro do próprio comando, somente se encaminhariam as que fossem aceitas em consenso. As divergências, por sua vez, remetidas para deliberação da assembleia.
Na reunião do dia 13, tratou se mais especificamente de se avaliar a manifestação realizada na Seduc, na quarta feira, dia 11/05
http://www.apeoc.org.br/noticias2/8103-sindicato-apeoc-e-comissao-de-professores-em-greve-tem-audiencia-com-governador.html
Entre outros assuntos também foi pautada a rodada de negociação com o governo, marcada para a segunda-feira, dia 16. Uma vitória da categoria que novamente seria recebida em greve por ele. 
Feito isso, a oposição insistiu em pautar uma nova manifestação no cambeba em paralelo à reunião. A direção do sindicato discordou prontamente. E tinha fortes motivos para isso. Não havia tempo hábil para uma convocação eficaz.  Como era maior a probabilidade de ser reduzido o efetivo de grevistas, fazendo o contraste, se teria a impressão de que a greve estivesse enfraquecendo. Além do mais, o dia 11 foi decisão de assembleia, o que em grande parte explicava seu sucesso.
Que a mobilização ajuda. reforça, e até possibilita a negociação, não há dúvida quanto a isso...Não quer dizer, no entanto, que necessariamente deva ocorrer no mesmo horário e local. 
Mal o sindicalista termina a fala, já foi surpreendido pela reação intempestiva de um dirigente da oposição que sob a alegação absurda de se tratar de "opinião pessoal" (sic),  conclamou seu grupo a deixar o recinto e fazer outra reunião fora do auditório da CUT.  Parece que estavam só aguardando o sinal... 
Gravaram um vídeo que circulou pelas redes. Até bem feito, em se tratando de um improviso. E se tiver sido, conforme querem dar a entender, então tem de se reconhecer que a Globo está perdendo talentos para a escola pública. Se não a Globo, ao menos o circo está!
Fazendo uso do pastelão armado passaram o final de semana enxovalhando o sindicato e convocando para o protesto na Seduc, mesmo não tendo sido autorizado pelo comando. Fizeram uso inclusive de recurso criminoso, postando um banner com o logotipo do sindicato como se ele estivesse convocando.
Àquela altura o governo, inteiramente a par do que acontecia, tratou de mudar o local do encontro para o Abolição..
Na segunda pela manhã realizou se a reunião preparatória com os integrantes da comissão proposta pelo sindicato na sede CUT. Fazia se necessário um breve estudo preliminar da pauta e acertar o passo na mesa de negociação, principalmente pelo fato de terem sido acrescentados mais quatro companheiros indicados pela base no comando. Uma sugestão da Apeoc acatada pelo governo.

Aproveitando o caráter aberto da reunião, também proposto pela Apeoc, um bloco da oposição se fez presente.  Embora contasse com representantes na comissão, mesmo assim, tentou aplicar um golpe. Com descaramento somente possível no ambiente golpista que vive o país, quiseram impor a substituição dos colegas escolhidos pela base, mas não diretamente ligados à oposição, por seus militantes. 
Ao agir dessa maneira demonstram o quanto é demagógica e vazia a palavra democracia que usam mais como propaganda enganosa do que como coisa que saibam praticar. Obviamente que o sindicato descartou qualquer concessão a mais esse golpe. 
No intervalo muito curto de tempo atentaram ao menos 2 vezes contra o comando de greve. Da mesma maneira com que golpistas em Brasilia rasgam a constituição, a oposição rompe as regras estabelecidas em comum acordo com a base. .
Não a toa resistem a fazer qualquer debate sobre as imensas perdas e grandes derrotas que ameaçam os trabalhadores em educação  no plano nacional. Um subterfúgio que oculta o apoio tácito, ou nem tanto, que dedicam ao golpe aplicado na democracia brasileira.
Indo mais amiúde na descrição do lamentável episódio, provocavam os membros do sindicato e filmavam sua reação para viralizarem nas redes, divulgando uma versão em que se pintam como vítimas dos "gangsteres" do sindicato. 
Ultrapassando  os limites da desfaçatez e do mau caratismo tentaram promover outra farsa, e dessa vez, usando de crueldade inominável. Ainda na tarde de segunda feira faziam circular mensagens nas redes sociais em que imputavam ao governador a responsabilidade por triste fatalidade que vitimara um colega professor pela manhã.  O fato não tinha a menor relação com a greve. Faltando com a verdade desrespeitaram a dor dos familiares, amigos e amigas, colegas, alunos e alunas do companheiro repentinamente falecido. Sórdido!

Assim são as pessoas que integram a oposição e com as quais o sindicato está obrigado a lidar. Falam de democracia e unidade, mas desde que se aceite incondicionalmente suas teses e se atenda a todos os seus caprichos.
Não se permitem o diálogo e não se educaram para a convivência democrática. Serão capazes de educar para o cultivo e cultivando esses valores?

Tragicamente, são "professores"!